A volta às aulas de 2021 marcará, para algumas famílias, a volta também às escolas. Em meio às incertezas geradas pela pandemia de covid-19, surgem questionamentos a respeito da modalidade das aulas, dos preços das mensalidades e do uso de materiais, que se somam à preocupação com as questões de segurança e prevenção contra o novo coronavírus. As instituições particulares oferecem aos pais a escolha pelo ensino presencial, remoto ou híbrido, enquanto a rede pública, com retorno do ano letivo marcado para 8 de março, ainda avaliará o cenário na pandemia antes de uma definição.

Em 2020, cerca de 30% dos alunos atenderam às atividades presenciais e os demais optaram pelo ensino remoto. A expectativa para este ano, segundo Alexandre Veloso, presidente da Associação de Pais e Alunos das Instituições de Ensino do Distrito Federal (Aspa-DF), é de que esse percentual se inverta. “Os colégios passaram o ano de 2020 se preparando e fizeram o dever de casa. Hoje, é possível falar que a escola é um dos lugares mais seguros”, observa. “Estamos vendo que há planejamento adequado e que os protocolos estão sendo seguidos. Os alunos serão acompanhados de perto para saber se estão com sintomas ou não”, completa.

Thais Severo, servidora pública, é mãe de dois meninos. Desde que as escolas reabriram, as crianças têm ido às aulas presenciais. “Eles voltaram no fim do ano passado e deu tudo certo. Os colégios estão tomando todas as medidas”, afirma a moradora do Lago Norte, cujos filhos estudam em instituições particulares da Asa Norte. Ela relata que o filho mais velho, Heitor, 9, soube se adaptar ao ensino remoto quando as escolas foram fechadas, mas que o pequeno, de 4 anos, não se interessava pelas aulas, o que a motivou a optar pela modalidade presencial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X
Open chat